Ilustração de Providence, EUA
Ilustração de Providence, EUA

Colaboração de Raquel Moritz

Providence é o maior município de Rhode Island e também um dos cinco condados do estado americano, com 16 localidades incorporadas. Essa região serve de palco para a história de India Morgan Phelps (mas você pode chamá-la de Imp), a narradora e protagonista do livro A Menina Submersa: Memórias, da autora Caitlín R. Kiernan.

Imp é uma garota peculiar, de vinte e poucos anos, que escreve contos, pinta quadros e mantém sua esquizofrenia em um controle, digamos, razoável. A herança de sua mãe e avó não foi das melhores, mas ela lida com isso enquanto mostra para os leitores os eventos estranhos que assolaram sua vida. Ao terminar a leitura, repleta de acontecimentos importantes em diferentes pontos de Providence, fica a vontade de conhecer um pouco mais sobre a cidade, fielmente descrita para ajudar a alimentar a imaginação do leitor e criar uma atmosfera entre a realidade e a ficção que aparece no livro.

Providence é casa da Brown University, uma das mais renomadas e antigas instituições de ensino do país, que faz parte do seleto grupo da Ivy League. A universidade foi fundada em 1764 e se classifica como a sétima mais antiga do país.

Imp visita uma das várias exposições que ocorrem na Bell Gallery, um espaço que faz parte da universidade e mantém um acervo com mais de 5 mil trabalhos artísticos, datados do século 16 até os dias atuais. A Bell Gallery fica aberta para visitação todos os dias, fechando apenas em datas comemorativas como o Memorial Day, Dia do Trabalhador, 4 de Julho, Dia de Ação de Graças e no dia 15 de janeiro, aniversário de Martin Luther King.

A autora Caitlín R. Kiernan (Foto de Kyle Cassidy)
A autora Caitlín R. Kiernan (Foto de Kyle Cassidy)

 

E se você quiser chegar perto do manuscrito do livro 1984, escrito por George Orwell, bem como três livros encapados com pele humana, vale a pena sair da Bell Gallery e ir direto para a John Hay Library, uma das bibliotecas da universidade. Foi em uma delas que Imp encontrou a história da Inconnue de la Seine, a máscara mortuária de uma garota não-identificada encontrada no rio Sena, pouco antes de 1900, e que chamou a atenção do legista por estar ainda tão bonita, mesmo depois de tanto tempo no rio.

Prédio da John Hay Library
Prédio da John Hay Library

Pelas redondezas, você também pode visitar o museu da Escola de Design Rhode Island. Muito embora a obra que dá nome ao livro seja fictícia (a autora Caitlín R. Kiernan encomendou a criação do quadro The Drowning Girl), no livro ela é bem real e mexeu pra valer com Imp quando ela visitou o museu da Escola de Design em seu aniversário de 11 anos. O quadro fica pendurado entre as obras Pôr do Sol Ártico (William Bradford, 1874) e Na Costa do Sotavento (Winslow Homer, 1900) em paredes que “têm uma cor verde musgo uniforme que faz as molduras douradas antigas parecerem um pouco menos chamativas”, como ela mesma descreve no livro.

Agora que mencionamos o quadro, The Drowning Girl, vale dizer que o cenário dele também é em Providence,  especificamente no Blackstone River, considerado um dos rios mais poluídos dos Estados Unidos. A inspiração para o quadro teria vindo de uma visita do artista a Massachusetts durante o verão de 1894 e a garota na imagem poderia ter sido inspirada em uma mulher por quem ele era apaixonado. Interessante, não?

Capa do livro "A Menina Submersa: Memórias" (Darkside Books, 2014)
Capa do livro “A Menina Submersa: Memórias” (Darkside Books, 2014)

Se você quiser conhecer o cenário que Imp observa ao sair de casa, basta passear pela Willow Street, um espaço que começa com casas antigas, desalinhadas ao longo da rua, e que dão espaço a casas vitorianas, com árvores, calçadas cinzentas e automóveis que passam ocasionalmente pela via.

Duas quadras adiante você entra na Rodovia 122, que leva a Massachussets, em um dos locais mais intrigantes do livro. Foi exatamente neste ponto da rodovia que Imp encontrou Eva Canning, a antagonista da história, fitando a escuridão do rio Blackstone em uma madrugada enevoada e com “o odor almiscarado, enlameado do rio”.

Quer andar por mais alguma biblioteca? A biblioteca Providence Athenaeum, localizada na Benefit Street, sobreviveu às modernizações da cidade. “Hoje, o Athenaeu não é muito diferente de quando Edgar Alan Poe cortejava Sarah Helen Whitman entre as estantes de livros”, e foi construído à maneira neoclássica. “Seu cheiro é a mistura de fragrância de mofo de páginas amareladas, poeira e madeira velha”, diz a personagem, que os assimila à conforto e segurança, “cheiro de coisa sagrada”.

Mais ou menos cinco quilômetros dali, você encontra mais um atrativo de Providence, o cemitério Swan Point. Neste local estão enterradas a maioria das personalidades de Rhode Island, assim como veteranos da Guerra Civil. Este é um dos primeiros locais citados no livro por ser ao lado do Hospital Butler, onde a mãe de Imp morreu. O site do Swan Point traz algumas informações sobre o local e até fornece um manual de etiqueta para os visitantes, indicando as roupas mais adequadas para a visitação e proibindo a presença de animais domésticos no terreno.

O trajeto por Providence, Rhode Island, pode ser feito acompanhando a trilha sonora do livro “A Menina Submersa: Memórias”, composta pelas músicas mencionadas ao longo das 320 páginas da obra.

 


***RAQUEL MORITZ é publicitária blumenauense, sempre com um livro na bolsa para a ida e volta do trabalho. Autora do Pipoca Musical, apaixonada por literatura, cinema, web e propaganda