Quando se fala na história de Robin Hood, os livros se misturam aos filmes e a rixa entre literatura e cinema parece ficar em segundo plano.

Isso porque há clássicos nos dois lados: a versão escrita mais conhecida é a de Alexandre Dumas, que lançou dois volumes: Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (de 1872) e Robin Hood, o Proscrito (de 1873).

Na tela grande, os ‘Robins’ também fazem sucesso: teve o Sean Connery, do filme de 1976; Kevin Costner, no clássico de 1991; ou ainda Russel Crowe, no filme mais recente, de 2010.

Capa_AsAventurasDeRobinHoodA editora Zahar lançou recentemente As Aventuras de Robin Hood , que reúne pela primeira vez os dois volumes de Dumas.

No livro, o tradutor Jorge Bastos faz algumas considerações que ajudam a compreender melhor como uma lenda da tradição oral foi contada e escrita com o passar dos anos. 

Um dos pontos interessantes levantados pelo tradutor é que o próprio Alexandre Dumas fala que esse é um personagem histórico, mas “sem a menor prova material de autenticidade”.

A trama de Robin Hood abrange um período de mais ou menos 60 anos, indo, grosso modo, de 1160 a 1220, quando a Inglaterra vivia sob o reinado de Henrique II, Ricardo Coração de Leão e João Sem Terra, da dinastia Plantageneta.

No decorrer do romance, entretanto, há pequenos anacronismos e imprecisões de datas, assinalados pelo tradutor.

Atrações de Nottingham

A estátua de Robin na entrada do Castelo de Nottingham
A estátua de Robin na entrada do Castelo de Nottingham

E, como toda boa tradição que se preze precisa de continuidade, o Condado inglês de Nottingham, onde se passa a história, oferece aos visitantes um pouco da magia da lenda de Robin Hood.

Bandeira_de_NottinghamA importância do personagem para o condado é tamanha que em 2010, a sua bandeira passou a exibir junto de suas cores a silhueta de Robin.

Hoje, a cidade oferece muitas atrações: desde uma visita ao Castelo de Nottingham que foi transformado em museu e mantém uma estátua de Robin na entrada, até um mapa com todos os pontos assinalados que aparecem na lenda, como a Floresta de Sherwood; o carvalho Major Oak, que servia de esconderijo para Robin; ou ainda a Igreja de Santa Maria, em Edwinstowe, onde supostamente Robin e Lady Marian teriam se casado.

Os passeios podem ser feitos à pé, de bicicleta ou city tours com guias.

No site é possível ouvir informações sobre cada lugar (em inglês)

Floresta de Sherwood

foto2_Floresta_Sherwood_credito_experienceNottinghamShire
Em Sherwood, também se pode visitar a caverna onde moraram os alegres homens da floresta. Ela foi localizada entre outras 450, a partir da iniciativa de uma universidade local, com um levantamento das grutas de Sherwood, escaneadas a laser 3D.

Major-Oak-Sherwood-Forest
O carvalho servia de esconderijo na lenda de Robin

A floresta, na época da história, ocupava uma área de cerca de 40.500 hectares, estendendo-se por quase todo o lado ocidental do condado.

Hoje, não passa de 180 hectares, que foram declarados de interesse científico em meados do século 20 e reserva natural em 2002.

Em Sherwood, os visitantes também conhecer o multicentenário carvalho Major Oak, sob o qual o grupo dos homens alegres da floresta se reunia.

Eventos anuais

Nottingham também oferece aos visitantes muitos eventos temáticos durante o ano, como o The Robin Hood Festival na floresta de Sherwood e no castelo de Nottingham, geralmente em agosto.

Há ainda o Festival Robin Hood da Cerveja, também no castelo de Nottingham, em outubro. E a Meia Maratona Robin Hood, realizada em setembro.

Como chegar

O aeroporto mais próximo de Nottingham é o East Midlands Airport, que conecta o condado a mais de 90 destinos em todo o mundo.

A partir do aeroporto, os turistas podem seguir de trem pela estação East Midlands Parkway que fica a 10 minutos do aeroporto ou pelo ônibus Skylink, que opera do lado de fora do terminal.

As linhas de trem da Eurostar também atendem a localidade.

PARA LER

  • As aventuras de Robin Hood, Alexandre Dumas, edição comentada (Editora Zahar)