por Maria Fernanda Moraes

casa-de-julieta1
A famosa sacada, na casa dos Capuleto (crédito: Minube)

Romeu, da família Montecchio, se apaixona por Julieta, de uma família arqui-inimiga, os Capuleto. Sabendo que o amor era proibido, o casal convence um frei a realizar o casamento em segredo para depois fugirem. Mas os pais de Julieta descobrem os planos.

E o final, dessa que é a mais famosa história de amor da literatura, todo mundo já conhece. A trama se passa na cidade de Verona, na Itália, e foi escrita por Shakespeare entre 1591 e 1595.

Placa que identifica a Casa de Julieta
Placa que identifica a Casa de Julieta (crédito: Minube)

Em meio às discussões se a história de amor é meramente ficcional ou não, a cidade do norte da Itália resolveu abraçar seu posto como berço desse amor.

Depois que a peça de Shakespeare virou filme pelas mãos de George Cukor, em 1936, o drama do amor impossível foi se tornando cada vez mais popular e Verona aproveitou a onda para investir em seus pontos turísticos.

Casa de Julieta

Na Via Cappello, localizada no centro histórico da cidade, fica o atrativo principal da cidade, a Casa de Julieta.

A famosa cena da sacada na casa da família Capuleto, em que Julieta está no alto e Romeu declama suas juras de amor, é uma das passagens mais lembradas pelos românticos.

Interior da casa com exposições
Interior da casa com exposições (crédito: Minube)

Mas é só circular pelas ruazinhas da cidade que guias turísticos contam que na verdade, aquela sacada foi construída bem depois, quando alguém teve a ideia de personificar ali na casa o local do romance.

A coincidência se dá porque a casa pertencia a uma família de sobrenome Dal Cappello, que seria uma corruptela de Capuleto, a família de Julieta na história de Shakespeare.

Bronze de Julieta, no pátio da casa (crédito: Minube)

A casa é aberta a visitação e os turistas podem, inclusive, subir até a sacada. Na parte de baixo, no pátio externo, há uma estátua de bronze de Julieta e diz a lenda que todo visitante que tocar seu seio direito terá felicidade no casamento.

Outras superstições se espalham pelas paredes da entrada: é ali que são depositadas mensagens e cartas de amor coladas com chiclete ou escritas à mão no próprio muro.

A prefeitura de Verona já tentou conter a tradição com multas e policiamento, a fim de preservar o patrimônio, mas não foi suficiente. Também foram postos painéis de papel para que os visitantes não escrevessem nas paredes, mas também não funcionou.

Uma das ações recentes da prefeitura foi tentar incentivar fotos ao invés dos bilhetes com o lema:  “Mais selfies, menos escritos”.

Serviço
Telefone de contato: 045.8034303
Horário de visitação: de terça a domingo das 8h30 às 19h30; segunda-feira das 13h30 às 19h30
Entrada: 6,00 euro

casa-de-julieta_parede
Os recados e cartas na parede de entrada (crédito: Minube)

Pra quem procura uma imersão completa no cenário, vale entrar na fila de reservas do Hotel Il Sogno di Giulietta, que fica de frente para o pátio da Casa de Julieta.

É um casarão do século 16 que tem o luxo de à noite, com os portões do pátio fechados, possibilitar que os hóspedes aproveitem o espaço com mais privacidade, olhando para a estátua de Julieta e lembrando dos versos declamados na sacada.

Tumba de Julieta

Outro ponto de visitação é a Tomba di Giulietta, nos subterrâneos do antigo Convento de San Francisco al Corso, que também abriga uma galeria de arte e um jardim lapidar.

O complexo é composto por uma igreja construída em 1230 e um convento, onde foi encontrado um sarcófago antigo que, segundo  a lenda, tornou-se o túmulo de Julieta.

Serviço
Telefone de contato: 045.8000361
Horário de visitação: de terça a domingo das 8h30 às 19h30; segunda-feira das 13h30 às 19h30
Entrada: 4,50 euro

Tumba de Julieta (crédito: Verona.net)
Tumba de Julieta (crédito: Verona.net)

A cidade não só respira a tragédia romântica, mas também a degusta, com muito molho de tomate, à moda italiana. Na Piazza Viviani, os restaurantes locais incluíram em seu cardápio fettuccine a la Montecchio e ou um spaghetti a la Capuleto.

Além disso, todos os verões, na Arena di Verona, a história de Romeu e Julieta ganha vida outra vez nas encenações, alimento para a alma.

Il Club di Giulietta

No cinema, a história de Romeu e Julieta ganhou espaço novamente há alguns anos com “Cartas para Julieta”.

No filme, uma jovem jornalista norte americana de férias na Itália descobre “as secretárias de Julieta”, um grupo de mulheres voluntárias que responde a todas as cartas depositadas nas paredes da casa de Julieta com pedidos de conselhos amorosos.

Nessa peleja entre ficção e realidade, a resposta é mais fácil do que em relação à história de Shakespeare: sim, as secretárias de Julieta realmente existem. E ficam ali perto, na via Galilei 3, saindo do centro histórico e descendo uma ladeira até as proximidades do cemitério e da ferrovia.

O que se conta é que a primeira carta chegou nos anos 1930, logo quando o filme de Cukor foi lançado. No destinatário, constava apenas: “Julieta, Verona e foi entregue na suposta tumba da personagem.

Quando viu a carta, o coveiro, que era um veterano da Primeira Guerra Mundial e sabia um pouco de inglês, escreveu uma resposta, assim como para as novas correspondências que começaram a chegar.

Com o passar do tempo, a tarefa de responder as cartas foi passada a um poeta local, mas logo descobriram sua identidade, e ele desistiu do cargo de secretário de Julieta.

Foi só nos anos 1980, que a prefeitura de Verona passou a tarefa ao Club di Giuliett, um grupo que promove iniciativas da cidade associadas à peça de Shakespeare.

Os secretários durante evento de comemoração do aniversário de Julieta, em setembro desse ano (crédito: Clube de Julieta)

Além das cartas que são deixadas na parede, a casa de Julieta também disponibiliza outros artifícios para os amantes que precisam de conselhos: uma caixa postal para onde as cartas podem ser enviadas, e terminais de computador dispostos em gabinetes metálicos que imitam antiguidades, de onde os visitantes podem enviar mensagens eletrônicas para Julieta.

Mas, felizmente, a tradição ainda perdura em Verona: a maioria das correspondências recebidas pelas secretárias de Julieta são cartas escritas à mão.

As vagas para novos voluntários do Club di Giuliett estão abertas: http://www.julietclub.com/en/get-involve/volunteer.html. Alguém se candidata?

Como chegar a Verona

O Aeroporto de Verona-Villafranca tem voos para diversas cidades italianas e outros países europeus. Está a 12 quilômetros da cidade, um trajeto que pode ser coberto de ônibus, que custa 5 euros.

Outra opção é o aeroporto de Brescia, que está conectado a Verona por trem. O trem, aliás, é a melhor opção para se chegar desde outras cidades. O bilhete Milão-Verona custa em torno de € 12,50 e o Veneza-Verona, a partir de € 6.

Melhor época para visitar: Prefira os meses entre Abril e Outubro, quando os dias são longos e a atmosfera é bem alegre

(Fonte: Viaje aqui)

PARA LER

  • Romeu e Julieta, William Shakespeare (L&pm Clássicos)