Pelas redes sociais, a Barca dos Livros convoca seus marujos:

“Segundo a EPAGRI e o nosso capitão, o passeio de barco deste sábado está confirmado! Tarde nublada, uma chuvinha aqui, outra ali e muitas Histórias na Barca, às 15:30 e 16:30 horas.”

O anúncio feito no meio da semana deu resultado: no sábado, no trapiche na beira da Lagoa da Conceição, em Florianópolis, uma turminha de adultos e crianças aguardava ansiosamente para embarcar na tão esperada aventura.

Foto: Maria Fernanda Moraes

O trajeto é simples: o barco sai do trapiche em direção ao meio da lagoa. Navega uns 10 minutos e então ancora. Mas nesse curto caminho, a magia já está acontecendo.

Pouco antes, na fila da espera, a ansiedade dos pequenos já desponta nas carinhas prestes a embarcar. E é só o capitão liberar a entrada, que a expectativa vai dando lugar ao encantamento. A embarcação é simples, de madeira, com cobertura para abrigar do vento, e bancos dispostos no centro e nas encostas laterais.

Foto: Maria Fernanda Moraes

Nos bancos, muitos livros. Cada um que senta, já pega seu exemplar e pode ir folheando enquanto o barco se distancia do trapiche.

Na mesma hora, os contadores de história também começam a convidar os pequenos leitores a entrarem na brincadeira e interagirem com as histórias que estão por vir. Tem violão, sanfona, cantigas, interação, algum choro aqui ou ali, e muita fantasia.

A Barca dos Livros: uma biblioteca que resiste

Esse passeio de barco é conhecido como Histórias na Barca. Ele acontece uma vez por mês, e sempre no segundo sábado. A saída do primeiro passeio é às 15:30, e basta chegar um pouco mais cedo para conseguir ingressos.

Tem ainda uma segunda saída, às 16:30. Adultos pagam 5 reais e crianças viajam de graça, pelas histórias e pela lagoa.

Foto: Barca dos Livros

O Histórias na Barca é promovido pela Barca dos Livros,  uma biblioteca comunitária, mantida pela Sociedade Amantes da Leitura. Ela tem uma sede física, também na Lagoa da Conceição, e defende a importância da leitura para o desenvolvimento comunitário e individual.

O passeio de barco é apenas uma das atividades que a biblioteca mantém no bairro. Tem ainda o Escola vai à Barca, um encontro semanal de professores, alunas e alunos de todas as idades com os livros e as contadoras e contadores de histórias, na sede da biblioteca.

Outro encontro bacana acontece às terças-feiras e é voltado aos professores, mães e pais dos leitores. O Núcleo de Estudos e Pesquisas lê, avalia e compartilha as novidades literárias que chegam à Barca.

Essa é uma forma de democratizar ainda mais a leitura, já que os pais e professores conseguem ter uma ideia mais ampla do que cada obra pode oferecer. O resultado desses encontros são resenhas, listas e muitas dicas de livros, que podem ser encontradas no blog da biblioteca.

Como a biblioteca sobrevive

As doações de livros são feitas pela FNLIJ – Fundação Nacional do Livro Infanto Juvenil e há uma curadoria para selecionar o que entra no acervo da biblioteca.

Núcleo de Estudos e Pesquisas da Barca dos Livros é responsável pela análise do acervo, planejamento, produção e execução de materiais de divulgação, análise e crítica de livros em diferentes suportes (jornais, internet, rádio, televisão).

As ações do Grupo de Estudos e Pesquisas buscam estabelecer uma linha interdisciplinar entre a literatura e outras áreas, promovendo práticas leitoras voltadas para a natureza das múltiplas linguagens.

Foto: Barca dos Livros

Além disso, os voluntários são extremamente importantes para que o trabalho da biblioteca continue. E o voluntariado não se restringe apenas aos contadores de história e aos pesquisadores e pesquisadoras, mas também aos colaboradores que fazem doações para arcar com o aluguel do espaço, entre outros gastos.

Quem quiser contribuir, basta entrar em contato com a Barca pelo email: barcadoslivroscomunicacao@gmail.com

* As fotos usadas nas galerias também são da Barca dos Livros